Crise dos três meses

Você já ouviu falar de “Crise dos três meses na amamentação”? Com três meses acontecem muuuitas coisas diferentes com o bebê. Primeiro ele começa a descobrir o mundo. A visão já está melhor e ele acompanha objetos e vê cores. A audição a está mais acostumada a não ter aquele som de útero o tempo […]

Você já ouviu falar de “Crise dos três meses na amamentação”?

Com três meses acontecem muuuitas coisas diferentes com o bebê.

Primeiro ele começa a descobrir o mundo. A visão já está melhor e ele acompanha objetos e vê cores. A audição a está mais acostumada a não ter aquele som de útero o tempo todo e ele se vira, em direção aos sons. O bebê descobre as próprias mãos e começa a explorar seu corpinho. Com isso o bebê fica mais ativo, curioso e atento para o que acontece ao redor. Ele percebe que é um ser separado da mãe. Ele já sabe quando está com a mãe e quando está sozinho.
Sabe aquele dia em que você saiu da casa dos seus pais pra morar sozinha e tudo deu errado? Acordou de manhã e não tinha café, derrubou um copo e quebrou, saiu atrasada e perdeu o ônibus, se enrolou no trabalho e teve q almoçar um salgado, tomou esporro do chefe, voltou pra casa na chuva, chegou faminta, cansada, aí queimou o chuveiro… Não dá vontade de chorar no fim do dia?
Pensa o bebê. Nunca sentiu fome, nem sede, nem frio, nem viu luz, nunca ficou em silêncio, nunca ficou longe da mãe… É muita coisa pra ele processar. E com três meses é mais coisa ainda! É quando ele começa a se dar conta que “nasceu”. Chega no fim do dia ele chora. É muito comum um choro no período vespertino ou noturno, ali entre as 18 e as 22h. É cansaço, angústia, desabafo do bebê.

O bebê também já percebeu que precisa chorar para ter suas necessidades atendidas. Antes o bebê chorava por que sentia algum desconforto (fome, sede, necessidade de contato, etc), agora o bebê chora para treinar uma nova habilidade, para exigir a presença da mãe. Sabe quando o bebê tem aquela fase de tacar tudo no chão? Ou botar tudo na boca? Ou querer ficar em pé em tudo? Quando bebês aprendem novas habilidades eles ficam treinando exaustivamente. Com três meses a habilidade aprendida é o choro como forma de comunicação. Então ele chora pra tudo. Pode ser desafiador descobrir o motivo: quero tomar banho, tá calor, quero colo, quero ver aquela coisa colorida lá, quero peito, quero conversar…

Então essa é a primeira coisa: bebês de três meses choram bastante. As vezes mais do que recém nascidos.

O bebê começa a brigar com o sono. É muito mais difícil dormir num ambiente mais colorido e estimulante. Além disso existe o medo de se ver separado da mãe.

As fezes ficam mais escassas. A maioria dos bebês em aleitamento materno exclusivo começam a fazer cocô a cada dois ou três dias, alguns ficam até dez dias sem evacuar. Quando finalmente fazem caquinha, é mole, semilíquido ou pastoso. Isso não é prisão de ventre. Um bebê só tem prisão de ventre quando faz bolas duras e secas, a barriguinha fica inchada e dolorida, quando tem sintomas e incômodos importantes.

Outra coisa que acontece é que com três meses o bebê já sabe sugar melhor o peito. Ele pode “esvaziar” a mama e encher a barriguinha em poucos minutos. Então como ele quer ver o mundo, e aprender coisas novas é normal ele dar uma mamadinha de 3 minutinhos e pronto. E nós, mães, achamos que mamou pouco. Na verdade ele só mamou rápido, de “gutiguti”.

Além disso bebês passam pelos chamados “saltos de desenvolvimento”. São períodos de inquietação, associados a aquisição de novas habilidades. Por exemplo: seu bebê descobre que consegue pegar objetos. Só que, de início, ele não consegue pegar direitinho. E o objeto cai, escapa, escorrega… Já pensou que agonia tentar fazer alguma coisa e não conseguir?? Nesses períodos eles ficam mais reclamões, estressados e solicitando mais a mãe.
Aos três meses tem um salto de desenvolvimento bem importante e que demora a passar.

Nessa época eles também começam a regular o tanto que mamam. Aprendem sobre o tamanho do seu estômago e a sensação de saciedade. Antes dos três meses é comum mamar além da conta e vomitar. Após essa idade quando terminaram de mamar e vc segue oferendo o peito eles podem recusar, chorar, botar a cabeça pra trás se esticando… Ficam ofendidos, do tipo “tira essa teta daqui, já chega!”.

O ganho de peso desacelera. A curva de peso é, como o nome diz, uma curva, não uma reta! E às vezes as mães estão acostumadas a ver o bebê aumentar um quilo por mês e olham para a balança com decepção, “eu achei que ele já tinha chegado nos 6/7/8 kilos”.

O corpo da mãe também muda. O peito para de encher pois a produção de leite se ajusta à demanda do bebê. Apenas 20% do leite costuma ficar na mama e os outros 80% são produzidos durante a mamada. Leite não seca! Quando cai comida no seu estômago, seu corpo produz suco gástrico. Quando você se emociona, seu corpo produz lágrimas. Quando um bebê mama, seu corpo produz leite! É assim. Instantâneo. Fresquinho. Feito na hora. Enquanto tiver bebê mamando, terá leite. Se estiver com mais fome, vai mamar mais tempo.

Então você tem um bebê que:
– Chora mais;
– Vive chupando/mamando as mãozinhas;
– Dorme menos/briga pra dormir;
– Faz menos cocô;
– Ganha menos peso;
– Mama “menos” (na realidade mama por menos tempo);
– Chora no peito (provavelmente por que já está satisfeito);

Some isso a um peito “murcho” e você terá uma mãe apavorada por que “o bebê tá passando fome”. Prato cheio pra iniciar um leite artificial sem indicação.

A idade de aparecimento e a intensidade desses “sintomas” variam de bebê pra bebê, de tal maneira que essa crise pode ser mais ou menos notável.

Existem alguns poucos casos de baixa produção, mas é incomum uma amamentação que estava tudo bem até então começar a ter problemas com três meses. Esses casos são raros. São exceções. Mães com hipotireoidismo, por exemplo, podem ter problemas na produção. Bebês que usam chupeta e mamadeira também podem ter o processo de aleitamento prejudicado (diz até na embalagem desses produtos. Tem um aviso do ministério da saúde).

Como você vai saber que está tudo bem?
A pega está correta, os seios não doem e não tem fissuras.
O bebê que mama bem faz muito xixi. Umas cinco, seis fraldas no dia.
Ele ganha peso e cresce em altura.
Ele se desenvolve e adquire novas habilidades.
Ele é esperto, ativo, olha pra tudo.
O exame físico é normal (é importante estar acompanhando o crescimento do bebê com um profissional de saúde que saiba puericultura).

E como ajudar nesse choro e nessa incomodação dele?
Se você der fórmula ele vai parar de chorar e dormir. Não quer dizer que era fome. Ele simplesmente ficou “empachado”, a fórmula é de difícil digestão, e o bebê não consegue controlar o tanto que mama, o leite é simplesmente derramado na boca dele e não há outra opção que não engolir. E certamente não é o melhor caminho, pode comprometer seu aleitamento.
Aqui em casa o sling ajudou bastante. Muito colinho. O banho de chuveiro também acalma. Contar histórias mostrando figuras coloridas em livrinhos. Brincar de sombras no teto.
Além disso ajuda muito, muito mesmo, fazer parte de grupos de mães que amamentam. Quando a insegurança bater, você pode compartilhar com outras mães e ver que não é a única. Nossos bebês são normais!
Laura Zimmerman