Perrengues de Coruja: viagem de avião com bebê

Blim blom, atenção senhores passageiros: apertem os cintos porque a viagem vai ser turbulenta! É, meus caros… Viajar é gostoso, mas com um baby tá longe – muuuito longe – de ser fácil. E se não é fácil, rááá! Certamente é perrengue de coruja! É por isso que neste post, dando continuidade ao quadro “Perrengues […]

Blim blom, atenção senhores passageiros: apertem os cintos porque a viagem vai ser turbulenta!

É, meus caros… Viajar é gostoso, mas com um baby tá longe – muuuito longe – de ser fácil. E se não é fácil, rááá! Certamente é perrengue de coruja!

É por isso que neste post, dando continuidade ao quadro “Perrengues de Coruja” (ler episódio #1, palpites), vamos abordar o tema: VIAGEM DE AVIÃO COM BEBÊ. :O

Antes de tudo, fica o alerta: um bebê com mais de 7 dias é aceito pelas companhias aéreas, maaas ideal ideal mesmo é que ele só cruze os céus depois de 28 dias, já que antes disso é considerado recém-nascido – e pode ter que voltar ao hospital por alguma complicação.

Existem médicos que vão além, ou seja, não recomendam antes dos 3 meses de vida. Faz sentido, pois o sistema imunológico ainda não está bem desenvolvido, então não é aconselhável estar em lugares com grande aglomeração de pessoas.

Tá, mas bora listar rapidamente alguns perrengues aéreos com bebês:

  • Totôzão que vaza da fralda e te deixa vermelha de vergonha;
  • Quando o bebê tem aquele choro incontrolável, mesmo que você já tenha alimentado, levado a bolsa lotada de brinquedo, passeado pelo corredor do avião, cantado musiquinha – e no momento, todos os outros passageiros estão te olhando torto, um verdadeiro se vira nos 30;
  • Só a tralha do bebê já excede todo o seu limite de bagagem;
  • No silêncio do voo o pequeno solta um pum de gente grande (ninguém nunca vai culpar o bebê :D);
  • Vai amamentar e ouve cochichos de reclamação ou vê gente de cara feia.

E aí, já passou por algum desses? Tem alguma história boa? Conta aí!

Mas chega de falar de tragédia! Vamos falar de coisa boa, vamos falar de brigadeiro. Brincadeira! 😛 Mas preparamos umas dicas pra você prestar bastante atenção e EVITAR os perrengues. Sim, é evitar, porque EXTINGUIR é beeem improvável.

  1. Alguns vôos, principalmente os mais longos, podem oferecer um cardápio especial pro seu bebê. Isso não é uma regulamentação, então vale a pena contactar a companhia com antecedência para ver se vai rolar o ranguinho.
  2. Docs: se a viagem for nacional, identidade ou certidão do bebê. Mas se for internacional é necessário passaporte (muito chique!). Ah, e claro! Tem países que vão exigir visto, então atenção com isso.
  3. O período da noite é legal para viajar com os pequenos, afinal eles já estão acostumados a dormir na faixa de horário.
  4. Menores de 2 anos até podem pagar passagem, mas o valor não pode ultrapassar 10% da tarifa paga pelo adulto. Eles precisam estar no colo, ok? Ou seja, não podem ocupar o assento.
  5. A movimentação do avião pode causar vertigens, náuseas e até vômito. Outro incomodo comum é a dor de ouvido, principalmente nos menores de 2 anos. Dica: Amamentem os pequenos, principalmente durante a decolagem e pouso.
  6. Menores de idade não podem viajar sozinhos sem a autorização dos dois responsáveis. No caso de ir apenas um, é preciso uma autorização por escrito do outro.
  7. Está viajando sozinho com um bebê? Avise a companhia aérea, elas oferecem auxílio e condições especiais para embarque e desembarque e até acesso as malas.
  8. O carrinho de bebê pode ser entregue na porta da aeronave, e ele estará lá na porta do avião quando você desembarcar com o bebê. É importante que seja sinalizado essa condição na hora do check-in e entrega de bagagens, é um auxílio e tanto!

É isso! Com perrengue ou sem perrengue, BOA VIAGEM!